Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(S)em Sentido

Nem tudo o que parece é, fica para ver...

(S)em Sentido

Nem tudo o que parece é, fica para ver...

14.Nov.18

Quem NUNCA marcou presença por um colega que atire a primeira pedra…

Claudia de Almeida

45029920_1170787496420213_5907169809849647104_n

Fonte: https://www.boredpanda.com/satirical-illustrations-gerhard-haderer/?utm_source=google&utm_medium=organic&utm_campaign=organic

A polémica das presenças fantasma de José Silvano na Assembleia da República foi um dos grandes temas da passada semana, colocando novamente na ordem do dia a descrença dos portugueses perante a política e os políticos portugueses. Durante dias, os portugueses foram inundados com dúvidas sobre como, quando e quem teria marcado presença pelo deputado do PSD, se haveria uma troca de passwords entre os elementos do grupo parlamentar, muitos “se’s” e poucas respostas.

Quando todos pensávamos que a novela continuaria sem justificação por mais algum tempo, a deputada Emília Cerqueira assumiu “heroicamente” a responsabilidade pelas presenças inexistentes do Secretário-Geral do PSD, afirmando que o fez inadvertidamente unicamente com a intenção de aceder a “documentos partilhados” de comissões em que ambos participam. Valha-me Deus – pensei eu – então agora a Assembleia da República está a tornar-se algo semelhante às aulas do ensino superior em que dos 230 alunos inscritos só estão presentes 200 alunos na sala, mas todos os 230 assinaram a folha de presença.

De facto, ao recordar-me das inúmeras visitas que já fiz ao Parlamento português cheguei à conclusão que, os deputados são incrivelmente semelhantes aos estudantes universitários, vejamos – quando o tema no hemiciclo não tem interesse ligam-se os computadores ou desbloqueiam-se os telefones ou tablets e vai-se para as redes sociais ou joga-se, na pior das hipóteses pintam-se as unhas; quando o colega falta, não há problema assina-se a folha por ele. O problema é que o Parlamento não é uma sala de aula, os deputados não são os jovens adultos que acabaram recentemente de entrar no ensino superior e, portanto, talvez esteja na hora dos senhores deputados – independentemente do partido em causa – tomarem noção de que desculpas de mau pagador e atitudes irresponsáveis – como aquelas que vimos nos últimos dias –  só contribuem para a descrença dos portugueses na política e na classe política e para a ascensão de radicalismos ao poder.

PS: Senhor Presidente da Assembleia da República e restantes órgãos competentes, arranjem nuvens de partilha de documentos entre os deputados das diversas bancadas, só para evitar que a Casa da Democracia se transforme na Casa dos Deputados Fantasma. Deixo-lhe umas sugestões (bem irónicas): Dropbox, o Google Drive, o Microsoft OneDrive, o We Tranfer, pense com atenção nesta situação, a desinformação e a ignorância não são justificação para ações (pouco) inadvertidas de validação de presenças de quem não está presente.